A Política Global como Sistema Aberto: Desafio para as Relações Internacionais no Antropoceno, por Joana Pereira

Entre os dias 27 de agosto e 4 de setembro de 2016, teve lugar, na África do Sul, o 35.º Congresso Geológico Internacional, no qual o Grupo de Trabalho sobre o Antropoceno (GTA) — integrante da Subcomissão de Estratigrafia do Quaternário, órgão constituinte da Comissão Internacional de Estratigrafia — apresentou um resumo das evidências reunidas pelos seus investigadores acerca de um possível novo intervalo de tempo geológico, o Antropoceno.

Cunhado pelo químico Paul Crutzen e pelo biólogo Eugene Stoermer em 2000, o conceito de Antropoceno designa uma nova era na história do planeta, totalmente dominada pela atividade humana. Sob este prisma, o Homem será agora um agente geológico, isto é, uma força dominante nas mudanças ambientais globais a uma escala comparável com alguns dos maiores eventos naturais do passado antigo (Rockström et al. 2009; Zalasiewicz et al. 2010). Tal significa que, no Antropoceno, a humanidade não afeta simplesmente o planeta — pela incorporação de novos fatores biofísicos na biosfera, o Homem transforma-o, modificando por completo a estrutura física que regula os maiores e mais importantes processos do sistema terrestre global (Steffen, Crutzen e McNeil 2007). De acordo com o GTA, o início do Antropoceno remonta a meados do século XX, momento a partir do qual se assistiu à “grande aceleração” das atividades económicas humanas (Universidade de Leicester 2016).

Embora este seja um conceito já amplamente utilizado nas ciências naturais, nas ciências sociais e nas humanidades, não foi ainda formalizado enquanto era geológica pela Comissão Internacional de Estratigrafia, o órgão responsável por deliberar nesta matéria. Contudo, as conclusões agora apresentadas pelo GTA indicam que o Antropoceno é geologicamente real e que, por isso mesmo, deverá ser oficialmente reconhecido e formalizado. Dos 35 investigadores que compõem o GTA, 34 consideram que o Antropoceno é estratigraficamente real e 30 apoiam a sua formalização enquanto era geológica (Universidade de Leicester 2016). Durante os próximos 2/3 anos, o grupo continuará a sua investigação, com vista à elaboração de uma proposta formal de reconhecimento do Antropoceno como Escala de Tempo Geológico, a apresentar à Comissão Internacional de Estratigrafia.

As evidências reunidas pelo GTA acarretam desafios significativos para a disciplina de Relações Internacionais (RI), nomeadamente o reconhecimento de que a política global é um sistema aberto. Vejamos porquê.

Este novo mundo do Antropoceno é muito mais perigoso, complexo, instável e incerto do que aquele em que a humanidade viveu nos 10 mil anos anteriores ao início desta “Idade do Homem” — esse foi o mundo do Holoceno, uma era geológica marcada por grande estabilidade ambiental, a qual permitiu que a humanidade prosperasse e criasse todos os mecanismos que caracterizam as sociedades modernas (Dean, Leng e Mackay 2014). Já muitas das mudanças do Antropoceno não têm paralelo na história do planeta e funcionam de variadas, complexas, incertas e imprevisíveis formas, que ameaçam as economias, as sociedades e a própria sobrevivência da espécie humana (Gillings e Hagan-Lawson 2014). Vários geólogos afirmam mesmo que o mundo se encontra numa nova fase de transição, semelhante àquelas que conduziram a alterações dramáticas na estrutura do sistema terrestre e que se traduziram em extinções em massa (Kolbert 2014). Ademais, o grande espaço temporal que existe, para o sistema terrestre, entre causas e efeitos revela-nos que mesmo uma atuação imediata sobre as causas não travará, muito provavelmente, as mudanças que se encontram já em curso (Gillings e Hagan Lawson 2014). O Antropoceno será assim um fator decisivo na política do século XXI, uma vez que as instituições humanas terão de lidar com as consequências de um sistema global marcado por rápidas e imprevisíveis transformações. Neste contexto, Dalby (2011) afirma que a agenda política global do século XXI centrar-se-á em como viver no Antropoceno.

Dever-se-á estar consciente de que o mundo do Antropoceno é um mundo de sistemas abertos, criado por uma enorme variedade de estruturas causais, mecanismos, processos e áreas. Esta ideia contrasta profundamente com uma das premissas do pensamento de Newton, que constitui a base da ideia de sistema fechado: a previsibilidade. Um sistema fechado implica impermeabilidade face a elementos e efeitos externos a esse sistema, através do isolamento de variáveis. Assim, ao estudar um sistema fechado, é possível assumir linearidade e previsibilidade, e dominar por completo o nosso objeto de análise. Alicerçado nesta teoria, Newton desenvolveu inúmeras equações suscetíveis de aplicação ao mundo real. As suas ideias tiveram muito sucesso nas ciências naturais, onde é relativamente fácil isolar variáveis (Bhaskar 2010; Wight 2015). No entanto, também as ciências sociais, na sua busca por cientificidade, adotaram a teoria dos sistemas fechados e as RI não foram exceção. Com base nesta ideia, a grande maioria dos teóricos das RI procura fornecer explicações sobre o mundo com base na assunção de previsibilidade, ou seja, na crença de que a vida global é um sistema fechado, evoluindo de forma gradual e seguindo trajetórias lineares (Kavalski 2015). Talvez por isso as RI tenham falhado em prever acontecimentos importantíssimos da vida internacional, tais como o fim da Guerra Fria e o 11 de setembro. Esta é uma falha problemática, pois as RI, dominadas pela tradicional teoria racionalista e pela metodologia positivista (Heng 2010), sustentam que acontecimentos futuros podem confirmar afirmações teóricas prévias, aspirando assim a prever os desenvolvimentos internacionais (Cudworth e Hobden 2011). Essencialmente, a disciplina sustenta ser capaz de algo que não conseguiu concretizar em relação a alguns dos mais importantes eventos internacionais, o que contribui, até hoje, para um certo sentimento de inferioridade no seio da disciplina.

A vida e a política globais são sistemas abertos, extremamente complexos e incertos, logo, impossíveis de prever (Bernstein et al. 2000). As evidências em torno da realidade do Antropoceno vêm corroborar este facto. Urge, pois, abandonar o paradigma racionalista e positivista vigente nas RI e assumir a imprevisibilidade do objeto de estudo da disciplina, pois o objetivo não pode continuar a ser o desenvolvimento de vãs capacidades de previsão. Os teóricos das RI não estão habituados a lidar com a incerteza, a preparar-se para falhar e a imaginar o inimaginável, três competências-chave no mundo atual. A capacidade de imaginar múltiplas alternativas e desenvolver estratégias não-convencionais é fundamental no Antropoceno. A academia deverá, portanto, ser encorajada e habilitada para identificar e preparar vários futuros alternativos, diversas “verdades”, porque o futuro é incerto e profundamente imprevisível. Nas palavras de Godet (citado em Godet e Durance 2011, 170-71),

“o futuro é aberto, de modo que qualquer forma de previsão equivale a fraude (…) [portanto,] a boa antecipação não é a que procura prever o que vai acontecer, mas sim a que conduz à ação. (…) [A Ciência] deve iluminar as nossas ações no contexto de futuros possíveis”.

Os teóricos das RI deverão, por isso, trabalhar a capacidade de imaginar múltiplos cenários e desenvolver diferentes habilidades para situações distintas, fornecendo respostas iterativas que vão iluminando a ação presente à luz de diversos futuros possíveis (Baie et al 2016). A prospetiva e a cenarização são, pois, bons caminhos a seguir — a prospetiva não procura adivinhar o futuro, ao contrário do que acontece no âmbito da lógica racionalista vigente, mas sim descortinar uma série de possibilidades alicerçadas num conjunto de fatores-chave do presente (ver Pereira 2013a, 215-20 e Pereira 2013b).

Uma vez que as RI, enquanto ciência, se debruçam sobre as questões da segurança e da sobrevivência à escala global, e perante a potencial ameaça de uma nova fase de extinção em massa numa era em que as não-linearidades, as mudanças inesperadas e os efeitos de “feedback” serão cada vez mais comuns, o reconhecimento de que a política global é um sistema aberto é fundamental. Para manter a sua relevância e contribuir verdadeiramente para a segurança e a sobrevivência globais, os teóricos das RI terão de repensar a base racionalista e positivista que sustenta a maioria da produção científica na área.

 

Referências Bibliográficas

Baie, Xuemei et al. “Plausible and Desirable Futures in the Anthropocene: A New Research Agenda.” Global Environmental Change 39 (2016): 351-362.

Bernstein, Steven et al.“God Gave Physics the Easy Problems: Adapting Social Science to an Unpredictable World.” European Journal of International Relations 6, no 1 (2000): 43-76.

Bhaskar, Roy. “Contexts of Interdisciplinarity: Interdisciplinarity and Climate Change.” Em Interdisciplinarity and Climate Change. Transforming Knowledge and Practice for Our Global Future, editado por Roy Bhaskar et al., 1-24. Nova Iorque: Routledge. Edição Kindle, 2010.

Crutzen, Paul J. e Eugene F. Stoermer. “The Anthropocene”. Global Change Newsletter 41 (2000): 17-18.

Cudworth, Erika e Stephen Hobden. Posthuman International Relations: Complexity, Ecologism and Global Politics. Londres: Zed Books, 2011.

Dalby, Simon. “Geographies of the International System: Globalization, Empire and the Anthropocene.” Em International Studies. Interdisciplinary Approaches, editado por Pami Aalto, Vilho Harle e Sami Moisio, 125-48. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2011.

Dean, Jonathan R., Melanie J. Leng e Anson W. Mackay. “Is there an isotopic signature of the Anthropocene?” The Anthropocene Review 1, no 3 (2014): 276-287.

Gillings, Michael R. e Elizabeth L. Hagan-Lawson. “The cost of living in the Anthropocene”. Earth Perspectives 1 (2014): 1-11.

Godet, Michel e Philippe Durance. Strategic Foresight: For Corporate and Regional Development. Paris: UNESCO, 2011.

Heng, Yee-Kuang. “Ghosts in the Machine: Is IR Eternally Haunted by the Specter of Old Concepts?” International Politics 47, no 5 (2010): 535-56.

Kavalski, Emilian. “Complexifying IR: Disturbing the “Deep Newtonian Slumber”.” Em World Politics at the Edge of Chaos: Reflections on Complexity and Global Life, editado por Emilian Kavalski, 253-75. Nova Iorque: State University of New York Press. Edição Kindle, 2015.

Kolbert, Elizabeth. The Sixth Extinction: An Unnatural History. Nova Iorque: Henry Holt and Co, 2014.

Pereira, Joana C. Segurança e Governação Climáticas: O Brasil na Cena Internacional. Tese de Doutoramento em Relações Internacionais, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 2013b. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/11802.

Pereira, Joana C. “O Brasil e a Governança Climática Global (2020-2024): Entre o Conservadorismo e o Reformismo de Vanguarda”. Carta Internacional 8, no 1 (2013b): 91-110.

Rockström, Johan et al. “A Safe Operating Space for Humanity.” Nature 461 (2009): 472-75.

Steffen, Will, Paul J. Crutzen e John R. McNeil. “The Anthropocene: Are Humans Now Overwhelming the Great Forces of Nature?” Ambio 36, no 8 (2007): 614-21.

Universidade de Leicester. “Media Note: Anthropocene Working Group (AWG)”. 29 de agosto, 2016. Consultado em 4 de setembro, 2016.  http://www2.le.ac.uk/offices/press/press-releases/2016/august/media-note-anthropocene-working-group-awg.

Wight, Colin. “Theorizing International Relations: Emergence, Organized Complexity, and Integrative Pluralism.” Em World Politics at the Edge of Chaos: Reflections on Complexity and Global Life, editado por Emilian Kavalski, 31-52. Nova Iorque: State University of New York Press. Edição Kindle, 2015.

Zalasiewicz, Jan et al. “The New World of the Anthropocene.” Environmental Science and Technology 47, no 7 (2010): 2228.

 

Joana Castro Pereira é Prof.ª Auxiliar na Universidade Lusíada — Norte (Porto, Portugal) e Doutorada em Relações Internacionais — Globalização e Ambiente

 

Como citar este artigo:

Editoria Mundorama. "A Política Global como Sistema Aberto: Desafio para as Relações Internacionais no Antropoceno, por Joana Pereira". Mundorama - Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais, [acessado em 04/10/2016]. Disponível em: <http://www.mundorama.net/2016/10/04/a-politica-global-como-sistema-aberto-desafio-para-as-relacoes-internacionais-no-antropoceno-por-joana-castro-pereira/>.

 

Seja o primeiro a comentar