É o Itamaraty uma instituição total?, por Rogério Farias

image_pdfimage_print

O conceito “instituição total” é um dos mais citados a serem produzidos pelos egressos da Universidade de Chicago. Ele foi apresentado para o público mais amplo pelo sociólogo canadense Erving Goffman, que concluiu seu doutorado pela instituição em 1949. Em sua carreira, notabilizou-se em privilegiar uma atitude analítica distinta sobre a sociedade, chamada por alguns como microsociologia. Seu foco foi, sobretudo a interação pessoal cotidiana ordinária e como ela reconstituía identidades.

O seu estilo informal e humor sardônico, sua aptidão para observação conjugada com a sua capacidade de ofertar aos leitores conceitos de fácil generalização foi uma das razões pelas quais seus textos conseguiram transpor as rígidas fronteiras da academia para as conversas pretensamente intelectuais do cotidiano pós-universitário. Ainda que tenha sido avesso às entrevistas, tornou-se um dos grandes intelectuais do século XX – mais citado do que lido, mais comentado do que estudado.

O conceito de “instituição total” foi vulgarizado pelo sociólogo Erving Goffman para descrever organizações em que pessoas, quase todas com o mesmo status, vivem em ambiente recluso e têm poucos laços com o resto da sociedade.

No artigo É o Itamaraty uma instituição total?, publicado no volume 17 de Meridiano 47 (Journal of Global Studies), Rogério de Souza Farias demonstra que o Ministério das Relações Exteriores brasileiro (Itamaraty) não cumpre os requisitos teóricos para se encaixar nessa classificação.

Leia o artigo:

DE SOUZA FARIAS, Rogério. É o Itamaraty uma instituição total?. Meridiano 47 – Journal of Global Studies, [S.l.], v. 17, mar. 2016.

Rogério de Souza Farias, University of Chicago, Center for Latin American Studies, Chicago, United States (rofarias@gmail.com).

Seja o primeiro a comentar