Notícias de Angola: as relações políticas entre Angola e Portugal segundo a imprensa portuguesa, por Samuel de Jesus

image_pdfimage_print

O ano de 2002 marca o fim da Guerra Civil em Angola. O domínio português remonta ao século XV, mas foi entre 1886 e 1927 devido aos acordos assinados entre França, Alemanha, Reino Unido e Bélgica, que Portugal definiu as fronteiras atuais de Angola. O Governo Salazarista transforma Angola em província em 1955. Passaram-se 20 anos até o reconhecimento de sua independência, após a Revolução dos Cravos (1974). Anteriormente à independência de Angola existiam três grupos que lutavam pela independência e que se rivalizava em ataques mútuos. O MPLA (1956) cuja orientação ideológica é o marxismo-leninismo e que tinha como liderança Agostinho Neto. O segundo era a FLNA (1962) e a UNITA (1966) de caráter anticomunista sob a liderança de Jonas Savimbi. Após a independência de Angola, esses três grupos iniciaram uma longa guerra civil. No contexto da Guerra Fria (1947-1991), Angola foi dividida, ao norte Agostinho Neto foi aclamado presidente da República Popular de Angola. No sul a UNITA e setores da FNLA passaram a controlar o sul apoiados por nações como os Estados Unidos.

O ano de 1976 marca a vitória do MPLA que tem seu governo reconhecido pela Organização da Unidade Africana (União Africana) e pela ONU. Recebe a oposição da África do Sul e Estados Unidos. A UNITA continua sua oposição armada que dura até 15.05.1991 quando é assinado o cessar-fogo entre o presidente José Eduardo dos Santos e Jonas Savimbi. Porém os conflitos cessaram somente após a morte de Savimbi. O conflito gerou mais de um milhão de mortos e mais de quatro milhões de refugiados. (Conheça a história e a evolução o política de Angola. In: Portal Terra. Disponível em: http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI3157193-EI294,00-Conheca+a+historia+e+a+evolucao+politica+de+Angola.html  Extraído em 20.12.2015)

Neste presente artigo, reunimos notícias de jornais portugueses sobre a conjuntura política angolana. Inicialmente, entendemos que existe uma forte relação política entre estes dois países, pois o principal jornal angolano acusa Portugal de interferência em assuntos internos da política de Angola.

Em artigo do Diário de Notícias de Portugal intitulado A crise de Angola pode provocar um “desastre político e social” observamos que existe um grande interesse em Portugal sobre a vida política de Angola. O artigo inicia com a seguinte afirmação do jornalista e ativista angolano Rafael Marques: “A situação económica vai agravar-se porque Angola não produz nada. Angola vive de importações”, diz Rafael Marques, jornalista e ativista angolano. Marques prossegue dizendo que a culpa é do presidente José Eduardo dos Santos não ter diversificado a economia que é cada vez mais dependente do petróleo. Afirma ainda:

“Nós estamos a caminhar para um desastre político e social, porque ao invés de o Presidente se abrir ao diálogo e chamar outros setores da sociedade no sentido de encontrarmos soluções comuns e inclusivas para se lidar com a crise, fecha-se cada vez mais”. (MARQUES, 2015).

Marques afirma que um dos problemas está na dependência do petróleo.

A situação económica vai agravar-se porque Angola não produz nada. Angola vive de importações. Como é que o governo vai lidar com estas restrições, não tendo feito investimentos em áreas básicas como na indústria alimentar? E porque é que não se fizeram investimentos e não temos uma economia competitiva”. (MARQUES, 2015).

Para Marques, uma dos problemas é a corrupção que vem com a imposição de que todos os estrangeiros que pretenderam fazer negócios com Angola deverão fazer negócios com a família do presidente. Por exemplo: a Isabel dos Santos (empresária, filha do Presidente angolano) vai fazer mais um supermercado, Kopelipa (general Hélder Vieira Dias, ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança da Presidência da República angolana) também fez o seu supermercado, mas depois todos os produtos que estão nesses supermercados são importados de Portugal e de outras partes do mundo, exceto alguns vegetais. Mas não há restrições económicas para estes indivíduos, há restrições na importação por parte daqueles que têm menos poder e não para aqueles que têm muito poder”, acusa. (MARQUES, 2015)

Marques (2015) denuncia a vida luxuosa da elite angolana e o gasto abusivo do dinheiro público: “A elite continua a andar de carros de luxo: às centenas. Continuam a verificar-se gastos supérfluos com os fundos públicos. Não há nenhuma medida de racionalidade, exceto o aumento do preço dos combustíveis que está a afetar os mais pobres”, disse. Rafael Maques é autor do livro “Diamantes de Sangue: Tortura e Corrupção em Angola”. No livro relata abusos cometidos por generais angolanos na província diamantífera angolana da Luanda Norte.

Com a manchete Jornal de Angola volta a atacar Portugal o Diário de Notícias de Portugal afirma que o diretor do jornal de Angola, Sr. José Ribeiro, utiliza do termo ingerência portuguesa para se referir a visita do diplomata português ao cidadão luso-angolano Luaty Beirão que estava em greve de fome por mais de 30 dias e que é acusado de conspiração contra o governo. Afirma também o editor do Jornal Diário de Angola que o Governo José Eduardo Santos está certo ao encerrar a parceria estratégica entre Angola e Portugal. Acusa ainda Francisco Pinto Balsemão, na comunicação social, e políticos como Francisco Louçã de liderarem esta cruzada conta angola.

O director do jornal defende que este episódio é mais uma prova de que o Governo angolano estava certo ao cortar com a “parceria estratégica” entre os dois países. José Ribeiro acusa ainda Francisco Pinto Balsemão, na comunicação social, e políticos como Francisco Louçã de liderarem esta cruzada conta angola. José Ribeiro acusa mesmo o antigo dirigente do Bloco de Esquerda de ter protagonizado a maior falta de respeito a Eduardo dos Santos, mas agora ganhar dinheiro em Angola. (ADAM, 2015)

O Jornal de Angola continua as criticas em relação ao que considera interferência de Portugal em assuntos políticos internos de Angola. O Diário de Notícias de Portugal na seguinte manchete afirma: Jornal de Angola denuncia campanha contra Luanda onde afirma que o referido periódico angolano diz existir uma “campanha contra Angola” que está sendo articulada em Portugal “ao mais alto nível”. O editorial do Jornal de Angola menciona notícia vinculada no semanário Expresso de Portugal sobre a abertura, pela Procuradoria-Geral da República de Angola, de uma investigação devido a indícios de fraude fiscal e lavagem de dinheiro envolvendo o vice-presidente de Angola Sr. Manuel Vicente, vice-presidente de Angola e o ministro de Estado, o general Hélder Vieira Dias “Kopelipa” e outras autoridades. (Jornal de Angola denuncia campanha contra Luanda. In: Diário de Noticias Globo. Disponível em: http://www.dn.pt/portugal/interior/jornal-de-angola-denuncia-campanha-contra-luanda-2882313.html Extraído em 2012.2015)

Segundo Machete (2015) Jornal de Angola ataca de novo “elites portuguesas”, afirma:

O Jornal de Angola mantém hoje o tom dos últimos dias e volta hoje a atacar, desta vez em editorial, as “elites portugueses ignorantes e corruptas”, exigindo reciprocidade de tratamento. Sob o título “Reciprocidade”, o editorial do único diário de Angola, acusa as elites portuguesas de “teimarem em não reconhecer” a representatividade de José Eduardo dos Santos e do partido no poder desde a independência, Movimento Popular de Libertação em Angola (MPLA).

Percebemos que a imprensa de Portugal reproduz os ataques feitos pelo jornal angolano em relação às ações do Estado português, em contrapartida os jornais portugueses são utilizados por setores políticos de Portugal e opositores angolanos para criticarem o governo de Angola. É importante observar a luta travada por setores jornalísticos. Sobretudo percebemos como são fortes e ainda recentes as feridas do processo de colonização, sobretudo o interesse dos portugueses (seja do governo, de setores da imprensa e o público em geral) sobre a vida política, social e econômica de Angola.

Segundo Carvalho (1995) os órgãos de comunicação de Portugal sempre acompanham os desdobramentos da política angolana através uma cobertura atenta e interessada. Tanto a MPLA quanto a UNITA tem demonstrado preocupação em relação à forma como são representados nos meios de comunicação portugueses. É tão verdadeira esta afirmação que Carvalho (1995) analisando a influencia da imprensa menciona o período de negociações de paz, em 1991, em que a imprensa desempenhou um duplo papel junto às duas partes do conflito, sobretudo importância sobre o processo de negociação.

Em uma reunião em Luena (16.05.1991) em que participaram três jornalistas portugueses e uma moçambicana foram definidos o consenso para o fim das hostilidades. A primeira fala entre os comandantes das duas forças ocorreu através da transmissão da Radio Nacional de Angola.

REFERÊNCIAS

MACHETE. Rui, Jornal de Angola ataca de novo “elites portuguesas” In: Diário de Notícias Globo. Disponível em: http://www.dn.pt/globo/cplp/interior/jornal-de-angola-ataca-de-novo-elites-portuguesas-3466240.html

Extraído em 20.12.2015

 MARQUES Rafael, Crise em Angola pode provocar um “desastre político e social. In: DN Globo. Disponível em: http://www.dn.pt/globo/interior/crise-em-angola-pode-provocar-um-desastre-politico-e-social-4374253.html

Extraído em 20.12.2015

Jornal de Angola volta a atacar Portugal

ADAM, Mariana. 25.10.2015. Disponível em:

http://economico.sapo.pt/noticias/jornal-de-angola-volta-a-atacar-portugal_232659.html

Extraído em 20.12.2015

Jornal de Angola denuncia campanha contra Luanda. In: Diário de Noticias Globo. Disponível em: http://www.dn.pt/portugal/interior/jornal-de-angola-denuncia-campanha-contra-luanda-2882313.html

Extraído em 2012.2015

Samuel de Jesus,  Doutor em Ciências Sociais UNESP Araraquara, Docente de História UFMS

Como citar este artigo:

Editoria Mundorama. "Notícias de Angola: as relações políticas entre Angola e Portugal segundo a imprensa portuguesa, por Samuel de Jesus". Mundorama - Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais, [acessado em 30/01/2016]. Disponível em: <http://www.mundorama.net/2016/01/30/noticias-de-angola-as-relacoes-politicas-entre-angola-e-portugal-segundo-a-imprensa-portuguesa-por-samuel-de-jesus/>.

Seja o primeiro a comentar