Cuba nas páginas da RBPI e do Boletim Meridiano 47, por Antônio Carlos Lessa

Cuba já foi um tema bastante popular entre os estudiosos de Relações Internacionais, especialmente na América Latina e nos Estados Unidos. Nesse último país, onde existem comunidades acadêmicas da área de ciências sociais que se organizam em torno de uma variedade inimaginável de temas, os estudos sobre Cuba floresceram inicialmente na comunidade de latino-americanistas. Nos congressos da Latin-American Studies Association – LASA, uma das maiores e mais dinâmicas seções é justamente a que se dedica a Cuba.

Na área de Relações Internacionais a atenção dada ao pequeno país caribenho se situa nos estudos sobre política externa dos Estados Unidos. Depois da Crise dos Mísseis de 1962 e até o fim da Guerra Fria, Cuba se fez causa ou efeito de um sem número de interpretações bastante importantes, desde análise de política externa e processo decisório aos estudos pós-coloniais.

O fim da Guerra Fria devolveu a Cuba o seu tamanho original, de ator de importância pequeníssima na política internacional, e mesmo na agenda externa dos Estados Unidos. E Cuba permaneceria no seu caminho aparentemente inafastável de irrelevânvia ainda por anos indefinidos, festejada por número cada vez menor de militantes apaixonados que se espalham pelos quatro cantos do mundo, mas que se fazem típicos mesmo das velhas esquerdas da América Latina.

O anúncio do início da normalização das relações cubano-norte-americanas, em 17 de dezembro passado, provocou o retorno triunfal de Cuba às manchetes dos veículos de grande circulação, aos debates televisivos e aos círculos acadêmicos. O “degelo cubano” (ou cuban thaw, na expressão em inglês que começa a se vulgarizar), significou uma mudança importante da política de Washington para Havana.  Ao desistir de modo tão abrupto da solução biológica, que pressupunha aguardar a morte por velhice dos irmãos Castro, o Presidente Barack Obama deixava entrever também que não valia a pena correr o risco de esperar pela incapacidade de a Revolução se renovar e de construir lideranças convincentes para o futuro próximo.

Os veículos do Instituto Brasileiro de Relações Internacionais – a Revista Brasileira de Política Internacional – RBPI e o Boletim Meridiano 47 – deram espaço, em suas páginas, para análises importantes sobre Cuba e o seu impacto na política internacional ao tempo da bipolaridade, e especialmente, sobre as transformações do regime político e da economia ao longo dos anos que se seguem ao fim da Guerra Fria. Todas as edições da RBPI publicadas entre 1958 e 1997 foram digitalizadas e publicadas no projeto Mundorama. Os fascículos da RBPI produzidos a partir de 1997 já foram publicados diretamente na Coleção Scielo Brasil. O Boletim Meridiano 47 já nasceu integralmente digital, e todas as suas edições estão preservadas e publicadas integralmente no seu website e também no projeto Mundorama.

A RBPI publicou, desde 1958, cinco artigos tendo Cuba como tema principal, um dos quais publicado pouco mais de seis meses antes da crise que mudou irreversivelmente a política internacional. As demais peças sobre Cuba publicadas na RBPI são documentos, que o tempo recobriu de um significado peculiar, provavelmente nem imaginado pelos editores da Revista de então. Como se sabe, a Revista publicou eventualmente, até 1992, seleções de documentos que os editores desconfiavam que se converteriam em peças importantes  para o entendimento da política externa brasileira e para uma leitura contextualizada da política internacional. A nota que informa o rompimento das relações diplomáticas entre o Brasil e Cuba, de 1964, e listada entre essas peças, mal prenunciava os tempos difíceis que se seguiriam na vida política e social do país.

O Boletim Meridiano 47, por seu turno, nunca publicou documentos. A pretensão do veículo nunca foi a de preservar testemunhos para a história. Até 2010 o Boletim publicava exclusivamente artigos bem breves, com cerca de três ou quatro páginas, e essencialmente focados na conjuntura internacional. São dessa fase os sete artigos que versam sobre a Cuba já inserida na crise permanente ocasionada pelo fim da Guerra Fria. A gerontocracia na qual o país se transformou, as características da sua política externa e as possiblidades de transição do país são os temas marcantes dessa seleção publicada em Meridiano 47.

Peças publicadas na Revista Brasileira de Política Internacional – RBPI (1958-2014)

Artigos

Documentos

Peças publicadas no Boletim Meridiano 47 (2000-2014)


Antônio Carlos Lessa, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, é editor da Revista Brasileira de Política Internacional – RBPI e do Boletim Meridiano 47 (@antoniolessa).

1 Comentário em Cuba nas páginas da RBPI e do Boletim Meridiano 47, por Antônio Carlos Lessa