Além da Revista Brasileira de Política Internacional: os 60 anos do Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, por Pio Penna Filho & Antônio Carlos Lessa

É fato que a Revista Brasileira de Política Internacional – RBPI absorve boa parte das energias da equipe de pesquisadores que anima o Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, instituição fundada em 1954 no Rio de Janeiro e transferida em 1993 para Brasília. Com efeito, o trabalho relacionado com a edição, a circulação e a repercussão da RBPI, tocado em permanente escassez de recursos materiais, tem demandado do Instituto mais e mais atenção, em medida proporcional ao crescimento da influência e da respeitabilidade científica que o veículo vem assumindo na comunidade brasileira e latino-americana de Relações Internacionais.

Temos trabalhado intensamente na profissionalização da Revista, o que tem sido muito facilitado pelo apoio importantíssimo dado pelo Scielo Brasil, que nos tem prestado acesso a recursos muito valiosos para a gestão do nosso periódico, além da sua própria veiculação na Coleção, em parâmetros elevados de competitividade e de visibilidade internacionais. A RBPI, que foi incluída na Coleção em 2007, como de resto, todas as demais publicações consolidadas que dela tomam parte, tem se beneficiado diretamente dos esforços implementados pelo Scielo Brasil para  a superação dos problemas do ambiente editorial extremamente fragmentado na comunidade científica brasileira, especialmente característico da grande área de Humanidades no Brasil.

Desde 1993, a Revista vem se transformando, em correspondência direta com a evolução da própria comunidade brasileira de Relações Internacionais, que se tornou muito mais complexa e diversa. Na RBPI, vimos trabalhando para publicar  contribuições de nível e complexidade científica competitivas internacionalmente e, por isso, é crescente o número de autores estrangeiros que submetem os seus artigos à consideração do seu Conselho Editorial. A organização de edições especiais integralmente veiculadas em língua inglesa [1], o cuidado persistente com a indexação internacional de alto nível, e a implementação de uma política de divulgação bastante ativa e dinâmica – com a organização de entrevistas com autores, a disponibilização de press releases sobre as edições e os artigos, o cuidado com a preparação de perfis mais completos dos autores, o trabalho intensamente repercutido nas mídias sociais – são esforços que repercutem de maneira sistemática essa trajetória de consolidação.

Os mesmos parâmetros tem sido aplicados na gestão de todo o programa editorial do IBRI, que vai muito além da RBPI. A primeira nota importante nesse sentido se relaciona com a publicação do Boletim Meridiano 47. Fundado em 2000, já como veículo digital, para a veiculação de contribuições científicas mais breves e focadas em temas da conjuntura internacional, o Boletim foi pioneiro da publicação científica em acesso aberto na área de Humanidades no Brasil, e chega em 2014 ao seu décimo quinto volume com sucesso. Também indexado em serviços nacionais e internacionais bastante competitivos, Meridiano 47 completa a vocação da sua irmã mais velha, a RBPI, sendo mais leve, mais ágil, e tem também logrado atrair contribuições de excelente nível científico, inclusive de autores não brasileiros.

O segundo ponto de nota do programa editorial do IBRI é a publicação de livros científicos e paradidáticos na área de Relações Internacionais. Não custa lembrar que a primeira coleção de livros especialmente concebida para apoiar o ensino de Relações Internacionais no Brasil foi desenvolvida pelo IBRI a partir de 2000, em cujo contexto foram publicados dez títulos, alguns dos quais posteriormente reeditados pela Editora Saraiva. [2] Outros projetos de grande envergadura, como a publicação de grande obra coletiva em dois volumes sobre a agenda internacional do Brasil no início dos anos 2000, também abriram um espaço novo para uma reflexão mais complexa e sistemática da inserção internacional do país em um momento de intensas transformações da sua política externa e mesmo do momento internacional. [3] Atuando em conjunto com o Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, ao qual estão vinculados boa parte dos seus animadores, o IBRI também publicou livros que repercutiam de modo intenso a emergência de temas de pesquisa que viriam a se estabelecer definitivamente no rol das preocupações da comunidade científica brasileira ao longo dos últimos anos. [4]

O IBRI, pois, mantém um selo consolidado na publicação de livros. E é justamente por conta dessa tradição, tão importante quanto a que tem na publicação dos seus periódicos, que o Instituto se prepara para renovar o seu programa editorial, com o início da publicação de obras autorais ou coletivas exclusivamente em formato digital, mais conhecidos como e-books, a serem também publicados gratuitamente. Nesse contexto, está planejada para 2015-2016 a organização de compêndios com alguns dos mais memoráveis artigos publicados pela RBPI desde 1958, dando início à celebração do sexagésimo aniversário da Revista. Nessa nova série de livros serão também publicados teses de doutorado e dissertações de mestrado.

A organização de eventos, em geral realizados com organizações universitárias e congêneres nacionais e internacionais, que marcou a trajetória do IBRI na sua fase brasiliense, será dinamizada ao longo dos próximos anos. Porquanto o IBRI tem atuado como segundo organizador ou apoiador de alguns eventos recentes de grande repercussão científica, projeta-se para 2015 a retomada do seu próprio programa de eventos. A mais óbvia linha de ação, por certo, se relaciona com a RBPI, e se vincula com a organização de seminários temáticos em torno do lançamento de todas as edições, regulares e especiais. Um dos projetos que tem absorvido a nossa atenção é  estabelecimento de um grupo de análise de conjuntura, que realizará sessões de trabalho periódicas com especialistas brasileiros e estrangeiros convidados além, claro, dos membros efetivos do Instituto.

O sexagenário de uma organização como o IBRI é sempre motivo para celebração – da trajetória incomum, das crônicas de criação e de recriação já contadas e recontadas, dos grandes projetos que articularam gerações de interessados em Relações Internacionais no Brasil – em especial, da RBPI. Mas é também a celebração da energia dispensada pelos entusiastas da reflexão sobre as grandes questões da atualidade e como elas têm impacto sobre os destinos do país – que, no final das contas, é a síntese da nossa história.

Notas

[1] Desde 2010 foram organizadas três edições especiais da RBPI: CERVO, Amado L. (Org.) ; Lessa, Antônio Carlos (Org.) . Emerging Brazil under Lula: an assessment on International Relations (2003-2010): a special issue of Revista Brasileira de Política Internacional. 1. ed. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2010. v. 1. 240p . Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0034-732920100003&lng=en&nrm=iso. Access on  20  Oct.  2014.;  VIOLA, Eduardo (Org.) ; Lessa, Antônio Carlos (Org.) . Global climate governance and transition to a low-carbon economy: a special issue of Revista Brasileira de Política Internacional.. Spe. ed. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2012. v. 1. 189p .Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0034-732920120003&lng=en&nrm=iso. Access on  20  Oct.  2014 e; Lessa, Antônio Carlos (Org.) ; OLIVEIRA, Henrique Altemani de (Org.) . China rising strategies and tactics of China s growing presence in the world: a special issue of Revista Brasileira de Política Internacional. Spe. ed. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2014. v. 1. 285p .Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0034-732920140003&lng=en&nrm=iso.  Access on  20  Oct.  2014.

[2] A Coleção Relações Internacionais do IBRI foi desenvolvida com a Fundação Alexandre de Gusmão, do Ministério das Relações Exteriores, e em seu contexto foram publicados os seguintes títulos: SARAIVA, J. F. S (Org.). . Relações Internacionais – Dois Séculos de História.  Brasília: Instituto Brasileiro de relações Internacionais, 2001. v. 2. 268p; SARAIVA, J. F. S. (Org.) . Relações Internacionais – Dois Séculos de História. Brasília: Instituto Brasileiro de Relaçoes Internacionais, 2001. v. 2. 212p; Lindgren Alves,José Augusto. Relações Internacionais e Temas sociais: a década das conferências.  Brasilia: IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2001, 432p.; Cervo, Amado L. As Relações Internacionais da América Latina – velhos e novos paradigmas.  Brasilia: IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2001, 320p; VAZ, A. C. . Cooperação, Integração e Processo Negociador: A Construção do Mercosul. Brasilia: IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2002, . 308p.; MARTINS, E. C. R. (Org.) . Relações Internacionais: Visões do Brasil e da América Latina. Brasilia: IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais,, 2003. 480p.; MARTINS, E. C. R. . Relações internacionais: cultura e poder. 1. ed. Brasília:  IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2002. 183p; PIO, Carlos . Relações Internacionais: Economia Política e Globalização. Brasília:  IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2002, 162p.; ROCHA, A. J. R. . Relações Internacionais: Teorias e Agendas. Brasília:IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2002,  336p.; LESSA, Antonio C. . A Construção da Europa: a última utopia das relações internacionais. 1. ed. Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2003. 192p.

[3] LESSA, Antonio C. & OLIVEIRA, Henrique Altemani de (Orgs.) . Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas – Volume 1. São Paulo/Brasília: Saraiva/Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2006. v. 1. 356p .; LESSA, Antonio C. & OLIVEIRA, Henrique Altemani de (Orgs.) . Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas – Volume 2. São Paulo/Brasília: Saraiva/Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2006. v. 1. 491p .

[4] É o caso de quatro grandes projetos integrados de pesquisa, que ensejaram a publicação de obras coletivas, a exemplo de: SARAIVA, J. F. S. (Org.). Concepts, Histories and Theories of International Relations for the 21th Century. 1. ed. Brasilia: IBRI – Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2009. v. 1. 272p .; SARAIVA, J. F. S.(Org.) . CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. 1. ed. Brasília: Instituto de Brasileiro de Relações Internacionais, 2001. v. 01. 203p .; SARAIVA, J. F. S. (Org.) ; ROLLAND, D. (Org.) . Political Regime and Foreign Relatins: A Historical Perspective. 1. ed. Paris: L’Harmattan, 2004. v. 1. 281p .; SARAIVA, J. F. S. (Org.) . Brazil-Africa Forum on Politics, Cooperation and Traade. Brasília: Brazilian International Relations Institute, 2004. v. 1. 290p. e; SARAIVA, J. F. S. ; CERVO, A. L. . O crescimento das Relações Internacionais no Brasil. Brasílila: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, 2005. v. 1. 306p .

Pio Penna Filho, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, é Diretor-Geral do Instituto Brasileiro de Relações Internacionais (piopenna@gmail.com);

Antônio Carlos Lessa, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, é Editor Chefe da Revista Brasileira de Política Internacional (@antoniolessa).

Seja o primeiro a comentar