Nelson Mandela – da África do Sul para o Mundo, por Pio Penna Filho

Nelson Mandela foi uma das personalidades mais importantes da história contemporânea, aliás, pela sua conduta de vida e pela sua conduta política, um líder “histórico”, atemporal, daqueles poucos que entram para a História para nunca mais serem esquecidos. Carismático, Mandela atuou com uma convicção ímpar na luta contra o regime racista do apartheid na África do Sul, mesmo sabendo o quão difícil seria a vitória contra a intransigência racial de parte dos brancos sul-africanos. A história da sua luta se confunde com a história recente do seu próprio país e ganha uma dimensão ainda maior e transcendente quando consideramos o sério problema do racismo, infelizmente uma realidade universal.

apartheid foi um odioso sistema criado por brancos da África do Sul para se manterem no poder e no controle da vida política, econômica e social de um dos mais prósperos países africanos. Tudo começou no final dos anos 1940, quando os ventos da descolonização começavam a soprar da Ásia para a África e a Organização das Nações Unidas colocava em evidência valores como os dos direitos humanos, o direito a autodeterminação dos povos e a igualdade entre os homens, ou seja, assumia uma perspectiva crítica contra a discriminação racial, um dos pilares que legitimavam o colonialismo europeu.

Temerosos de perder o controle do processo político sul-africano, os brancos, congregados principalmente em torno do Partido Nacional, começaram a edificar um conjunto de leis discriminatórias que ficaram conhecidas como o sistema do apartheid, isto é, de separação, segregação, que tanto sofrimento e dor causou para a maior parte da população do país.

Nesse sistema absolutamente injusto, a maioria da população – os negros – não podiam viver nas mesmas cidades que os brancos, não podiam estudar nas mesmas escolas, não podiam frequentar as mesmas praias, não podiam namorar, casar e nem ter nenhum tipo de contato íntimo com os brancos, e vice-versa. Aliás, não só os negros. Os racistas sul-africanos dividiram a sociedade em brancos, negros, asiáticos e mestiços. Cada um recebia uma identificação e isso limitava toda a sua vida. Existiam cidades – ou bairros – destinados a cada grupo. É claro que esses locais eram sempre o mais afastado possível das cidades onde viviam os brancos e lhes faltava de tudo: acesso a saúde, escolas, água encanada, pavimentação, empregos, enfim, condições dignas de vida.

Foi contra esse estado de coisas que Mandela e muitos outros ativistas lutaram. Filiado ao Congresso Nacional Africano (CNA), Mandela se formou em Direito e rapidamente começou a se destacar como um dos mais importantes quadros do CNA. No início dos anos 1960, quando o regime racista ampliou a repressão contra os negros e vetou qualquer tipo de negociação política, Mandela pregou a luta armada como uma forma legítima de combater as injustiças sociais – e raciais – no seu país. Ou seja, embora preferisse a negociação política, Mandela não se furtou a ações mais radicais e firmes quando o regime fechou todas as outras possibilidades, assumindo riscos e responsabilidades que mais tarde o levariam à prisão.

Assim, por conta do seu engajamento político foi preso e condenado a prisão perpétua. Amargou 27 anos detido em Robben Island, uma prisão localizada numa ilha próxima à Cidade do Cabo. Mas mesmo todo o sofrimento da prisão não enfraqueceu a sua convicção inquebrantável de que uma África do Sul diferente era possível, uma nação que congregasse a todos, sem discriminação.

Por um desses lances de sorte, ou do destino, Mandela estava vivo quando o regime do apartheid desmoronava perante uma oposição vigorosa e violenta que tomava as ruas das principais cidades sul-africanas no final da década de 1980. Digo isso porque foi o seu incontestável carisma e sua autoridade moral que possibilitaram uma saída política para a crise sul-africana. Sem ele, talvez não fosse possível a realização de uma transição política relativamente pacífica num país profundamente marcado pela desigualdade e pelo ódio racial.

Mandela era um dos pouquíssimos negros que os brancos respeitavam. Ele foi o artífice de uma obra de engenharia política poucas vezes experimentada com sucesso em situações como a do desmantelamento do apartheid na África do Sul. Sua vida, pautada pela integridade moral e pela convicção política baseada na justiça social, é um exemplo para toda a humanidade.

Mandela foi um líder em todos os sentidos. Desde a juventude começou a se inquietar com as desigualdades e injustiças vivenciadas pela maior parte da população sul-africana, especialmente pelos negros. Logo adquiriu consciência política e começou a militar nas hostes do Congresso Nacional Africano, se dedicando com afinco e se preparando com uma  disciplina incomum para a luta que, todos sabiam, seria longa e árdua. Sua vida foi dedicada à luta contra o apartheid e por uma sociedade mais justa, com uma coerência política rara de se encontrar. Não se iludiu com o poder e nem tampouco tirou vantagens pessoais com a ascensão à presidência tendo, inclusive, demonstrado o seu compromisso com a democracia ao não se candidatar à reeleição, uma vez que acreditava ser importante a renovação política, dando vez a gerações mais novas.

A trajetória de vida de Nelson Mandela o levou da condição de militante contra o apartheid na África do Sul para a de um líder de reconhecimento mundial. Ao final, Mandela se tornou uma espécie de patrimônio da humanidade, um raríssimo líder com uma estatura moral invejável e encontrada apenas de tempos em tempos. Por tudo isso, não apenas os sul-africanos perdem o seu líder máximo, mas a humanidade como um todo fica órfã com a perda de um ser humano que serviu e servirá de exemplo para muitas gerações. Mandela merece descansar em paz!

Pio Penna Filho é professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília e diretor-geral do Instituto Brasileiro de Relações Internacionais – IBRI (piopenna@gmail.com).

1 Comentário em Nelson Mandela – da África do Sul para o Mundo, por Pio Penna Filho

  1. Muito obrigado Mestre Penna Filho.
    O legado de um estadista como Mandela jamais será esquecido e tenho a plena certeza que influenciou, influência e influenciará gerações e gerações de pessoas que vivem a margem da sociedade em todos os rincôes do planeta.